fbpx

Amoêdo se manifesta sobre nomeação de Eduarda La Rocque na campanha do RJ

Pré-candidato à presidência da República pelo Partido Novo pronunciou-se sobre a polêmica nomeação de economista que já colaborou com o PSOL e criticou Sergio Moro na campanha de Marcelo Trindade no RJ
Foto: Reprodução

Compartilhe

Foto: Reprodução/Facebook

O pré-candidato à presidência da República pelo Partido Novo, João Amoêdo, pronunciou-se no início da noite desta segunda-feira (9) sobre a polêmica nomeação de Eduarda La Rocque na campanha de Marcelo Trindade ao governo do Rio de Janeiro.

Em transmissão ao vivo no Facebook, ao lado de Christian Lohbauer, candidato a vice, João Amoêdo afirmou que “discorda da escolha feita” por Trindade, embora reconheça que Eduarda La Rocque seja uma pessoa “ética, competente e experiente na área pública”. [1]

Amoêdo afirmou que deixou registrado junto ao diretório seu descontentamento e adiantou que existe uma conversa entre o partido e Trindade para “chegar a uma solução que é a melhor para o nosso projeto”.

Leia também:  "A agenda 2030 é a agenda que temos que buscar", diz Cláudio Castro durante Energy Summit

[wp_ad_camp_1]

“No NOVO, além da intenção, do objetivo de melhorar a vida das pessoas, é fundamental saber qual caminho para fazer essa melhora. No NOVO, entendemos que quem vai melhorar a vida das pessoas é o cidadão, não o Estado. Por tudo o que a gente leu e viu, Eduarda La Rocque não está exatamente nessa linha”, disse o pré-candidato ao Planalto.

Ao seu lado, Lohbauer complementou que a pessoa que Marcelo Trindade escolheu está “muito distante” daquilo que o NOVO pensa, para além dos limites das diferenças naturais entre os filiados do partido.

Como adiantado nesta segunda-feira pelo Boletim da Liberdade, Eduarda La Rocque não apenas já participou do programa de governo de Marcelo Freixo (PSOL) à prefeitura do Rio de Janeiro em 2016, como também publicou recentemente um artigo controverso no Jornal do Brasil. No texto, La Rocque defendeu Lula e considerou que sua prisão acendeu uma sensação de injustiça. Ela também considerou que o ex-presidente é perseguido por Sérgio Moro, mídia e elites.

Leia também:  Camozzato tem 9,1% de intenções de voto para prefeito de Porto Alegre

[wp_ad_camp_3]

Assine o Boletim da Liberdade e tenha acesso, entre outros, às edições semanais da coluna panorama

plugins premium WordPress
Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?