fbpx
PUBLICIDADE


Universitárias da Juventude Comunista defendem livre comércio e viram piada

Socialistas reclamaram da intervenção de uma professora de universidade pública no comércio feito por iniciativa de alunos que precisam de recursos para estudar: ‘Que decepção para Stálin’, disse internauta

- Publicado no dia
Estudantes gravaram vídeo reclamando de repressão a empreendedores e divulgaram no Facebook (Foto: Reprodução/Facebook)

Duas estudantes de uma entidade designada União da Juventude Comunista se tornaram motivo de chacota nas redes sociais graças a um vídeo publicado na última quarta-feira (4). Alunas da Universidade Federal de Pernambuco, as jovens decidiram comentar um curioso fato ocorrido na instituição. [1]

Segundo elas, durante um evento acadêmico no Centro de Biociências, uma aluna foi impedida de continuar vendendo doces por uma professora. A docente teria argumentado que o local era inapropriado e que deveria haver respeito pela hierarquia da instituição.


PUBLICIDADE



“Diante da atual conjuntura, nós entendemos que é totalmente compreensível que aumente o número de empregos informais na universidade, porque os alunos vão procurar meios para tentar se manter neste espaço. A gente entende que o posicionamento dessa professora é inadmissível e um preconceito”, argumentaram as comunistas que, sem se darem conta, defenderam o direito à livre iniciativa e ao livre mercado, tão perseguidos pelos socialistas e tão caros a liberais e conservadores.

No vídeo, os comentários foram os mais variados. “O que está dando nos comunistas, cara?”, perguntou um internauta, surpreso. Outro disse: “Comunista reclamando da intervenção do Estado? Que decepção para Stálin!”, em referência ao ditador soviético conhecido por violentas perseguições e massacres.

Campus da Universidade Federal de Pernambuco, onde teria ocorrido o fato narrado pelas comunistas (Foto: Divulgação)

“Ora bolas, isso é liberalismo econômico. Vocês estão indo contra a intervenção soberana da professora, que seria o Estado na comparação. [Essa é a] Juventude comunista liberal (risos)”, disse outro.

A página “Inflacionistas”, por sua vez, conhecida por ironizar os economistas heterodoxos brasileiros que defendem políticas públicas com menos responsabilidade fiscal, também comentou o episódio. [2]

Ilustrada com uma foto do economista Luiz Gonzaga Belluzzo, professor da USP e simpático ao PT, a página simulou uma fala do acadêmico ao ver o vídeo:

“Falhei miseravelmente como professor. Passei anos pregando a boa regulamentação de tudo, a intervenção pesada do Estado e o seu papel como motor na economia. E agora sou obrigado a ver jovens, que deveriam ter uma foto minha na cabeceira da cama, pedindo menos regulamentação e mais livre mercado! Onde vamos parar? É o fim!”, diz o texto.

Foto: Reprodução/Facebook
★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O sexto grupo do Boletim da Liberdade no WhatsApp está com vagas abertas. É por tempo limitado. Entre apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.