PUBLICIDADE


Bolsonaro: propriedade privada é ‘sagrada’ e, se o MST invadir, ‘é chumbo’

O pré-candidato à presidência da república Jair Bolsonaro (PSL) defendeu em palestra no Rio de Janeiro que o MST seja tratado como movimento terrorista e comentou sobre o apoio que tem no campo

- Publicado no dia
Foto: Reprodução/Facebook

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSL/RJ), pré-candidato à presidência da república, palestrou na manhã desta segunda-feira (21) na Associação Comercial do Rio de Janeiro. Instado a comentar sobre o Movimento Sem Terra, o parlamentar respondeu que são “marginais” e que “a propriedade privada é sagrada”. [1]

Aplaudido pelos presentes, Bolsonaro comentou ainda que membros do movimento haviam recentemente matado um fazendeiro que conhecia. “Nós temos que tipificar como terrorismo ações desses marginais. A propriedade privada é privada e é sagrada e ponto final. Invadiu, garantido no Código Penal, é chumbo”, disse.


PUBLICIDADE



Segundo Bolsonaro, o campo vive um “inferno”. “No agronegócio, 90% do campo está comigo. Extamente porque você tem que ser radical nessas questões. Não basta a grande mídia dizer que sou de ‘extrema-direita’ ou ‘radical’. Você não pode ir fantasiado de flor de abóbora em festa de pepino”.

Ainda sobre o MST, Jair Bolsonaro afirmou que seus militantes são “vagabundos e marginais” e que “só invadem aquilo que está produzindo alguma coisa”. Na mesma palestra, o parlamentar defendeu também o fim do condicionante de “excesso” no código penal. “Matar um vagabundo com 1 tiro ou 20 tiros é a mesma coisa”, argumentou.

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura ou fazendo uma doação de qualquer valor. Contamos com você para viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil.

Leia também:  MBL pode ser 'o ponto que segura a democracia brasileira', diz Luciano Ayan ao Boletim
Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Seja um assinante e receba nosso conteúdo por Whatsapp


Seja um mantenedor com uma doação única de qualquer valor


Comentários

Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.