fbpx
PUBLICIDADE


Associação cria petição para que Brasil mude embaixada de Israel para Jerusalém

Abaixo assinado é endereçado ao presidente Michel Temer e relembra papel histórico do diplomata brasileiro Osvaldo Aranha, que presidiu sessão histórica que criou o moderno Estado de Israel há 70 anos

- Publicado no dia
O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Aloysio Nunes, e o primeiro-ministro de Israel Benjaminn Netanjahyu (Foto: Haim Zach / El País)

Após a embaixada dos Estados Unidos finalmente se instalar em Jerusalém nesta segunda-feira (14), um grupo de brasileiros associados à Associação Sionista Brasil-Israel criou uma petição para pressionar o governo brasileiro a fazer o mesmo movimento. [1]

Endereçado ao presidente Michel Temer, o abaixo-assinado foi criado no site Change.org e, até a publicação desta matéria, já tinha mais de 900 assinaturas. Atualmente, a embaixada do Brasil em Israel encontra-se em Tel Aviv, e não na capital do país, Jerusalém. [2][3]


PUBLICIDADE



“A ASBI – Associação Sionista Brasil Israel, vem através deste manifesto, expressar o anseio dos milhares de judeus e dos milhões de cristãos residentes no Brasil, em ver este governo reconhecer a cidade de Jerusalém como capital do Estado de Israel, bem como, transferir e estabelecer a sede da Embaixada do Brasil para a Cidade de David”, diz o documento.

O texto observa ainda que o Brasil deve demonstrar apoio Israel como fez Osvaldo Aranha, diplomata brasileiro que presidiu a sessão que criou o moderno Estado de Israel, há 70 anos.

Jerusalém, a capital que o Brasil preferiu não instalar embaixada. (Foto: TerraSanta.com.br)

“Esta é uma oportunidade propícia para que também o Brasil reconheça Jerusalém como a capital indivisível do Estado de Israel, a única democracia no Oriente Médio e um local de reconhecida expansão tecnológica, social e cultural, que respeita as diferenças e protege as minorias, portanto, digno nosso mais profundo respeito e admiração”, diz o texto.

Em dezembro, em entrevista ao Boletim da Liberdade, o ativista Ronaldo Gomlevsky comentou sobre a possibilidade de outras nações acompanharem os Estados Unidos na mudança da embaixada.

“Dependerá do comprometimento desses países com os árabes, com o petróleo árabe e depende também da possibilidade de paz entre Israel e outros países como, por exemplo, a Arábia Saudita – que já se mostra interessada em fazer a paz com Israel. E depende mais do que qualquer coisa do medo que esses países têm do terror árabe. Se eles forem reféns dos árabes, não mudarão a sua embaixada como não mudaram até hoje. Se eles começarem a pensar em valores éticos, morais e na história, eles vão mudar a embaixada de seus países rapidamente de Tel Aviv para Jerusalém porque a capital de um país quem determina é o próprio país. Quem escolhe a capital é a própria nacionalidade, não é o estrangeiro, não é o país amigo”, disse.

Acesse a petição da ASBI que pede a mudança da embaixada clicando aqui.

+ ‘Se os países forem reféns dos árabes, não mudarão a sua embaixada’, diz Ronaldo Gomlevsky sobre Jerusalém e Israel

+ ÚLTIMAS VAGAS: Curso de Introdução de Liberalismo abre vagas para a primeira turma por tempo limitado

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O Boletim da Liberdade abriu mais um grupo no WhatsApp para recebimento de conteúdos especiais. Mas entre logo: é por tempo limitado. Participe apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



PUBLICIDADE
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.