SOBRE     ASSINE     NEWSLETTER     FACEBOOK     TWITTER     YOUTUBE



Morre na Suíça cientista que queria fazer suicídio assistido, mas não podia

David Goodall levou uma injeção letal após passar por sua última avaliação psiquiátrica e assinar um documento; ele precisou viajar da Austrália, onde a prática é proibida, para a Suíça, onde é permitida

- Publicado no dia
David Goodall assina documentos autorizando sua morte (Foto: Exit International)

Morreu nesta quinta-feira (10) na Suíça o cientista britânico David Goodall. Aos 104 anos de idade, Goodall estava radicado na Austrália, mas precisou viajar para a Suíça para fazer o que desejava: morrer. [1]

No país europeu, já estão permitidas sessões de “suicídio assistido”, isto é, morte voluntária e controlada por médicos.

Na Austrália, porém, assim como na maior parte do mundo, a prática não é permitida ou não está regulamentada.

De acordo com informações preliminares, David Goodall pediu para morrer ouvindo a música “Ode à Alegria”, de Beethoven.

Embora sempre estivesse consciente sobre a morte, passou por outra avaliação psiquiátrica minutos antes de tomar a injeção letal no braço que, em poucos minutos, lhe faria desfalecer.


PUBLICIDADE



“É a minha própria decisão. Quero pôr fim à minha vida e fico grato que isto seja possível na Suíça”, declarou Goodall, que viajou para o país com o auxílio da ONG Exit International.

Nos últimos anos, Goodwall já sofria com o avançar da idade. Sofreu uma queda que comprometeu sua locomoção. Segundo relatos, visão e audição também começaram a ficar deterioradas, o que foi prejudicando a possibilidade de trabalhar. Ele deixou de frequentar a universidade Edith Cowan, onde lecionava, em 2016.

Segundo a ONG que levou Goodwall à Suíça, o cientista requereu em documento que foi assinado pouco antes do suicídio que seu corpo fosse doado para a medicina ou então que fosse cremado.

Ele também fez questão de ressaltar que não acredita na vida após a morte e frisou não desejar funeral ou qualquer cerimônia em especial. [2]

Liberdade de morrer

O suicídio assistido ainda é um assunto polêmico. Nos Estados Unidos, apenas quatro estados já o permitem – e outros seis estão estudando revisões na legislação. [3]

As regras para o suicídio assistido também variam localmente. Algumas delas, por exemplo, só permitem esse tipo de morte em caso de doença terminal e expectativa de término de vida no próximo ano.


PUBLICIDADE



Segundo o portal Hypeness, que fez uma reportagem sobre o assunto, no estado americano de Oregon a maior parte dos que requerem a morte – e vão até o final nesse desejo – é devido à perda de autonomia. Muitos deles em virtude de tumor maligno.

No Brasil, a eutanásia é proibida. O mais próximo do suicídio assistido é quando o paciente, em estado terminal, tem o direito de interromper o tratamento convencional. É a chamada ortotanásia.

+ CURSO SEGREDOS DO BITCOIN 2.0: Treinamento para iniciar no mercado de criptomoedas
+ CURSO PARA CRIAR SEU NEGÓCIO ONLINE. Siga o passo a passo para em 30 dias começar a faturar.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Seja um assinante e receba nosso conteúdo por Whatsapp


Seja um mantenedor com uma doação única de qualquer valor

Comentários

Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também