fbpx
PUBLICIDADE


Senador Roberto Requião volta a atacar liberalismo: ‘Contra a civilização’

Crítica do Senador do PMDB do Paraná, porém, não encontra respaldo em dados estatísticos; ranking de liberdade econômica da Heritage Foundation comprova que nações mais livres tornam o povo mais próspero

- Publicado no dia
Foto: Reprodução/CBN

O senador Roberto Requião (MDB/PR) voltou a atacar nesta quarta-feira (2) o liberalismo. Em desabafo no Twitter, o parlamentar afirmou que “o liberalismo econômico bárbaro e predador que se implanta no Brasil hoje é claramente um crime contra a humanidade e a civilização”. [1]

Em seguida, Requião acrescentou: “Desemprego e precarização do trabalho”, associando esses dois fenômenos, portanto, à concepção de uma economia livre.

O tweet, porém, não teve tanta repercussão. Com quase 200 mil seguidores, menos de 20 reagiram ao comentário até a publicação desta matéria. A única internauta que decidiu respondê-lo criticou a declaração:


PUBLICIDADE



“Parece uma vitrola quebrada. Por sorte, o povo está acordando e entendendo que o governo mais atrapalha do que ajuda”, disse. [2]

Afinal, Requião está certo?

A retórica do Senador contra o liberalismo, associando-o ao desemprego, precarização e reforçando que trata-se de “crime contra a humanidade e a civilização”, não encontra, porém, menor amparo estatístico.

Sociedades mais liberais, com mais liberdade econômica, são, pelo contrário, mais prósperas. É o caso de nações como Suíça (4º), Austrália (5º) e Nova Zelândia (3º), países que, no ranking de liberdade econômica da Heritage Foundation, encontram-se na mais alta classificação. No Brasil, o ranking 2018 foi traduzido em parceria com o site Gazeta do Povo e o Instituto Monte Castelo. [3]


PUBLICIDADE



Nações como o Reino Unido (8º), Canadá (9º), Dinamarca (12º), Estados Unidos (18º) e Coreia do Sul (27º), que estão associadas a alto índice de prosperidade e desenvolvimento humano, também contam com elevada liberdade econômica. São países do grupo de “majoritariamente livres”.

Vancouver, Canadá. País é uma das economias mais livres do mundo e conta com altíssimo desenvolvimento econômico e social. (Foto: Reprodução/Descubra o Mundo)

Neste ranking, o Brasil está posicionando em 153º lugar, entre as nações de pior colocação na classificação de “majoritariamente não-livres”. Algo bem distante do “liberalismo bárbaro e predador” que Requião analisou estar em implantação no país.

Vizinhos do país em liberdade econômica estão nações como Serra Leoa (151º), Afeganistão (154º), Irã (156º) e a República Democrática do Congo (147º). Regiões, essas sim, associadas a graves problemas humanitários e civilizacionais.

A Venezuela (179º) e a Coreia do Norte (180º), nações também com graves questões humanitárias, algumas das quais, no caso do país latino-americano, com reflexo no Brasil, também são exemplos de economias anti-liberais. Com altíssima regulação estatal e restrições ao livre-comércio, ambas estão no grupo de nações de liberdade “reprimida”. Ao lado delas, nações como Zimbábue (174º), Cuba (178º) e Eritreia (176º).

Critérios

O Índice de Liberdade Econômica da Heritage Foundation é um estudo que leva em consideração análises baseadas no Estado de Direito, tamanho do governo, eficiência regulatória e mercados abertos dos países do mundo.

Em resumo, são analisados critérios tais como o respeito aos direitos de propriedade, a integridade e os gastos realizados pelo governo, carga tributária, saúde fiscal, além de liberdade de trabalho, liberdade comercial e liberdade de investimento. Com base nesses elementos, é atribuída uma pontuação e, consequentemente, um ranking.

Confira o Índice de Liberdade Econômica 2018 na íntegra clicando aqui.

+ ÚLTIMAS VAGAS: Curso de Introdução de Liberalismo abre vagas para a primeira turma por tempo limitado

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O Boletim da Liberdade abriu mais um grupo no WhatsApp para recebimento de conteúdos especiais. Mas entre logo: é por tempo limitado. Participe apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



PUBLICIDADE
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.