PUBLICIDADE


Polícia Civil do Rio se desculpa por dizer que cabe a acusados provar inocência

Em tweet respondendo a jornalista, a instituição publicou raciocínio que faz o que juristas consideram ferir a presunção de inocência

- Publicado no dia
(Foto: Reprodução / Wikiwand)

A Polícia Civil do Rio admitiu ter dado uma tremenda “bola fora” em seu Twitter na tarde desta segunda-feira (23). Questionada pela Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro em virtude de uma operação contra milicianos que prendeu 159 pessoas em um sítio na Zona Oeste do Rio, a Polícia respondeu com uma publicação bastante questionável. [1]

“Cabe aos acusados provarem a inocência na Justiça, direito que é amplamente garantido no Estado Democrático de Direito”, escreveu. No entendimento constitucional, ao contrário, o acusador deve provar que os réus são culpados, presumindo-se a inocência caso isso não ocorra. A assessoria de imprensa apressou-se em retificar o teor da mensagem, afirmando que ela “não reflete o pensamento da Polícia Civil” e que o tweet “foi um equívoco”. A postagem foi uma reação a um jornalista que abordou o número de prisões de milicianos nos últimos dez anos.


PUBLICIDADE


Ele havia perguntado se os presos na operação já constam nas estatísticas de 2018 e a corporação respondeu que “Os dados são referentes às prisões efetuadas pelas polícias e não sobre condenações na Justiça”. Em seguida, a polícia fez o comentário em destaque, depois retificado.

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura ou fazendo uma doação de qualquer valor. Contamos com você para viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Seja um assinante e receba nosso conteúdo por Whatsapp


Seja um mantenedor com uma doação única de qualquer valor


Comentários

Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.