SOBRE     ASSINE     NEWSLETTER     FACEBOOK     TWITTER     YOUTUBE



Autor holandês defende renda universal: ‘maior conquista do capitalismo’

O historiador acredita que o sistema capitalista precisa ser “sacudido” por reformas que dinamizem o mundo do trabalho e aumentem a qualidade de vida

- Publicado no dia
Rutger Bregman (Foto: Reprodução / The Times)

Renda básica universal, 15 horas semanais de jornada de trabalho e abertura das fronteiras. Pode parecer utopia, e pode efetivamente ser utopia, mas é o que defende o historiador holandês Rutger Bregman, que se destacou depois de publicar seu ensaio “Utopia para realistas”.

Em entrevista para o El País de 25 de março do ano passado,  Bregman sustentou que é possível “sacudir o capitalismo para acabar com as desigualdades”, implementando na prática toda essa agenda revolucionária. Para ele, apesar de o momento ser de críticas ao estado de bem-estar-social, a renda básica seria “um complemento das medidas fundamentais” que o compõem, somada à saúde e ao ensino público, mas poderia substituir medidas como o “seguro-desemprego, que se tornou um sistema incrivelmente burocrático e paternalista e que não funciona”. [1]


PUBLICIDADE



Essa renda, para Bregman, deveria ser recebida por todos indistintamente, ricos e pobres. Para ele, a renda é um investimento, porque confronta todos os prejuízos sociais decorrentes da pobreza, e é uma medida favorável à liberdade individual, porque deixa aos pobres o controle direto do uso a ser feito da verba que receberão. Ele garante que existem experiências concretas atestando que, “quando recebem dinheiro gratuitamente, as pessoas não o desperdiçam ou gastam com bebida. As pesquisas mostram que todos nós queremos realizar os nossos sonhos” e “o grande desperdício dos nossos dias são os milhões de pessoas que estão presas à pobreza ou a um trabalho inútil”.

Ele também pensa que a esquerda precisa “defender a meritocracia” e que todas as fronteiras deveriam ser abertas, o que só beneficiaria os países que acolhessem ondas de imigração. Apesar de suas ideias soarem impressionantes ou radicais, ele minimiza a dificuldade: “Tudo deve começar por contar a história de uma forma diferente. É a mesma coisa para a renda básica. Muitas vezes me dizem que as pessoas são contra, mas no século XVII a maioria também era contra a democracia”.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Seja um assinante e receba nosso conteúdo por Whatsapp


Seja um mantenedor com uma doação única de qualquer valor

Comentários

Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também