fbpx
PUBLICIDADE


Sindicatos defendem a volta do imposto sindical obrigatório em audiência

Representantes de entidades sindicais, além de políticos como o senador petista Paulo Paim, acreditam que o fim da obrigatoriedade está destruindo o movimento sindical

- Publicado no dia
(Foto: Reprodução / Congresso em Foco)

Nesta segunda-feira (19), em audiência pública da Subcomissão Temporária do Estatuto do Trabalho (CDHET), na comissão de Direitos Humanos do Senado Federal, a obrigatoriedade do imposto sindical voltou a ser discutida. Representantes dos sindicatos e lideranças políticas criticaram as mudanças na legislação trabalhista. [1] 

Na sessão, o senador Paulo Paim (PT-RS) foi um dos críticos à reforma feita em 2017, sustentando que a Lei 13.467/2017 desmontou o movimento sindical ao privilegiar as negociações individuais. “Estão varrendo o movimento sindical, e isso é um equívoco. Sinceramente, na verdade isso é uma burrice”, afirmou. Todos os presentes concordaram com a afirmação de que os sindicatos foram enfraquecidos.


PUBLICIDADE



“Vivemos num país capitalista, onde sem dinheiro nada se faz. É importante que as entidades sindicalistas tenham dinheiro para que as lutas dos trabalhadores sejam efetivadas”, disse João Hilário Valentim, procurador regional do Trabalho. Ele sugeriu que o tributo realmente volte a ser compulsório, mas conferindo ao trabalhador o direito de, posteriormente, se opor ao sindicato e reivindicar o reembolso. Nesse processo, os dirigentes sindicais teriam a chance de demonstrar o emprego do recurso e levar o contribuinte a repensar sua decisão.

Luigi Nesse, da Confederação Nacional de Serviços (CNS), argumentou que a contribuição sindical se tornar facultativa tem gerado muita insegurança jurídica e representou uma queda brutal na arrecadação. Para ele, os não sindicalizados em algum momento vão acabar sendo obrigados a voltar a pagar o tributo, pois “não compete aos cidadãos decidir se pagam ou não um imposto”. 

+ ÚLTIMAS VAGAS: Curso de Introdução de Liberalismo abre vagas para a primeira turma por tempo limitado

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O Boletim da Liberdade abriu mais um grupo no WhatsApp para recebimento de conteúdos especiais. Mas entre logo: é por tempo limitado. Participe apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



PUBLICIDADE
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.