SOBRE     ASSINE     NEWSLETTER     FACEBOOK     TWITTER     YOUTUBE



Com máquina menor, governo Bolsonaro teria menos concursos, diz Guedes

Em entrevista ao jornal ‘Valor Econômico’, o economista Paulo Guedes, conselheiro econômico do pré-candidato Jair Bolsonaro, afirmou que estuda uma ampla reforma fiscal no Brasil

- Publicado no dia
Foto: Divulgação/Abril

O economista Paulo Guedes, conselheiro do pré-candidato à presidência Jair Bolsonaro e que está o auxiliando a organizar suas propostas para a área econômica, propõe realizar no Brasil uma ampla e marcante reforma fiscal. De acordo com o que foi publicado pelo jornal Valor Econômico, a medida incluiria uma reforma na previdência ainda mais marcante (onde prevaleceria o regime de capitalização, similar ao chileno), um grande programa de privatizações e, no bojo da redução da máquina, a significativa redução de concursos públicos. [1]

Para Guedes, haveria o potencial de arrecadar R$ 700 bilhões apenas com privatizações, dinheiro que seria o suficiente para reduzir em 20% a dívida pública federal – que gira em torno R$ 3,5 bilhões. Com uma dívida menor, seria possível, de acordo com o que afirmou Guedes ao Valor, reduzir os juros e ampliar investimentos em saúde, educação, segurança e outras áreas.


PUBLICIDADE



Outro ponto ressaltado pelo economista, que também é um dos fundadores do Instituto Millenium, é que a reforma fiscal teria potencial para redistribuir os recursos entre os entes federativos. Pelo o que projeta o economista, isso significaria que os parlamentares não ficariam tão dependentes em negociar verbas com o governo federal, o que na prática poderia acabar com o que chamou de “toma-lá-dá-cá, da compra e venda de votos”. Os apoios seriam mais programáticos, teria observado Paulo Guedes.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Seja um assinante e receba nosso conteúdo por Whatsapp


Seja um mantenedor com uma doação única de qualquer valor

Comentários

Receba nosso conteúdo por e-mail




Leia também