fbpx
PUBLICIDADE


Constantino propõe 10 critérios para definir um político como liberal em 2018

Presidente do conselho do Instituto Liberal defendeu que, para evitar oportunistas, é preciso estabelecer um “selo liberal” para classificar políticos pró-liberdade: o interessado deve concordar com sete de dez pontos

- Publicado no dia
(Foto: Camilla Moll / Agência CODE)

O economista Rodrigo Constantino, presidente do conselho deliberativo do tradicional Instituto Liberal do Rio de Janeiro, defendeu no início de dezembro passado em artigo para a revista Istoé a criação de um “selo do liberal”.

A ideia, segundo ele, é “separar o joio do trigo”, detectando o que chamou de “oportunistas de plantão”, interessados apenas em obter apoio da crescente quantidade de pessoas que se identificam com as ideias liberais.

Para Constantino, um candidato só pode se chamar de liberal se defender, pelo menos, sete dos dez pontos abaixo:


PUBLICIDADE



1) Defender a privatização das estatais, incluindo Petrobrás, Banco do Brasil e Caixa, partindo da premissa que não cabe ao Estado ser gestor de empresas ou banqueiro;

2) Jamais votar por qualquer medida de aumento de impostos, partindo da premissa que já temos uma carga tributária indecente em nosso País, e respeitar o equilíbrio fiscal, com o foco no corte de gastos do governo, especialmente de privilégios para funcionários públicos;

3) Sustentar um banco central independente com metas claras de inflação e nada mais;

4) Tratar a reforma previdenciária como prioridade, sendo o ideal a criação de contas individuais de capitalização, para por fim ao esquema coletivista de pirâmide do atual INSS;

5) Considerar o FGTS roubo e defender que o trabalhador deve ter o direito de escolher onde aplicar os seus próprios recursos;

6) Lutar por uma radical reforma de flexibilização da CLT, para colocar fim nesse modelo fascista e marxista que trata patrão como explorador e empregado como oprimido;

7) Não votar a favor de qualquer medida que represente aumento da nossa burocracia estatal, já em patamares absurdos;

8) Reduzir o protecionismo comercial e abrir nossa economia de verdade, para deixar a livre concorrência fazer o seu “milagre”;

9) Apoiar o projeto Escola Sem Partido, que pretende acabar com a doutrinação ideológica em nossas escolas e combater a ideologia de gênero imposta a nossos alunos, assim como pregar o voucher;

10) Defender o direito legítimo de o cidadão de bem portar armas para se defender e revogar o Estatuto do Desarmamento em vigência a despeito da escolha popular.

Ao fim do artigo, Constantino afirma que “ninguém pode pretender usar o rótulo sem defender um drástico enxugamento do estado, reduzindo burocracia, impostos e privilégios”. Leia o artigo na íntegra clicando aqui.

+ ÚLTIMAS VAGAS: Curso de Introdução de Liberalismo abre vagas para a primeira turma por tempo limitado

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O Boletim da Liberdade abriu mais um grupo no WhatsApp para recebimento de conteúdos especiais. Mas entre logo: é por tempo limitado. Participe apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



PUBLICIDADE
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.