SOBRE     ASSINE     NEWSLETTER     FACEBOOK     TWITTER     YOUTUBE



Índia diz que fantasias de carnaval de índio não ofendem os indígenas

Indígena Ysani Kalapalo, do Xingu, desabafou sobre a recente polêmica promovida pelo site ‘Catraca Livre’ acerca da utilização de fantasias indígenas no carnaval; para ela, fantasia é motivo de ficar feliz

- Publicado no dia
A índia Ysani Kapaolo (Foto: Reprodução/Facebook)

A índia Ysani Kalapolo, que nasceu e cresceu em tribo da cultura Kalapalo, no Xingu, publicou na última sexta-feira (9) nas redes sociais um vídeo sobre a recente polêmica a respeito de fantasia de índio no carnaval. Segundo ela, ao contrário do que propagado por sites como o Catraca Livre, não se trata de algo ofensivo.

“Não tem nada demais usar o cocar e adereços indígenas no carnaval. Inclusive, os próprios indígenas, nas vésperas de carnaval, aparecem nas cidades mais próximas só para comemorar o carnaval com cocar e adereços. Para o meu povo, isso não é nada demais. Ao contrário, valoriza. A gente fica feliz”, desabafou.

Antes de fechar a página, confira o recado de nossos patrocinadores para você:

+ Os livros mais baratos sobre liberalismo você encontra aqui: Multi Book

+ O que propõem os liberais? Curso sobre liberalismo ONLINE e GRATUITO, confira!

Ela ainda complementa: “A gente fica feliz quando vê o branco usando um cocar indígena. Por que? O que conota? Na minha visão, quando o branco está usando ali o cocar indígena, as pessoas vão lembrar dos índios. Se vão pensar bem ou mal, isso vai da cabeça de cada um”.

Polêmica

A polêmica acerca de fantasias politicamente incorretas surgiu após a publicação de um vídeo viral do site Catraca Livre. Além de julgar as fantasias de indígenas, o site – que ficou, recentemente, conhecido também por divulgar receitas culinárias com fezes – também condenou homens que se fantasiam de mulheres ou fantasias que estereotipam profissões, como enfermeiras. [1]

Fabio Ostermann, ex-diretor do Instituto Liberal e uma das principais lideranças do movimento Livres, comentou o assunto em suas redes sociais. Ele ponderou que esse discurso da “esquerda pós-moderna” apenas estimula o desenvolvimento de uma direita de “mitadas”, simbolizada pelo pré-candidato à presidência Jair Bolsonaro: [2]


PUBLICIDADE



“Estou cada vez mais convencido de que nada produz tanto eleitor do Bolsonaro quanto essa tara politicamente correta que ignora e tira de foco problemas gravíssimos do nosso país para enfatizar microagressões absolutamente irrelevantes para qualquer pessoa adulta dotada de bom senso”, disse, complementando que, para ele, o que mais existem são “pessoas comuns, que só querem viver suas vidas em paz sem fazer mal a ninguém, ficando de saco cheio dessa falta de noção da ‘esquerda pós-moderna’. E, não sem surpresa, alguns acabam concluindo que é só com ‘mitadas’ que se combate as ‘lacradas’.”

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Seja um assinante e receba nosso conteúdo por Whatsapp


Seja um mantenedor com uma doação única de qualquer valor

Comentários

Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também