SOBRE     ASSINE     NEWSLETTER     FACEBOOK     YOUTUBE



Vestibular da UFRGS apresenta questões polêmicas sobre Friedman e nazismo

Em uma das questões, Milton Friedman é associado como “conselheiro” do ditador chileno Augusto Pinochet; em outra, a Alemanha Nazista é considerada “uma economia capitalista de livre mercado”

- Publicado no dia
Fachada da UFRGS. (Foto: Ramon Moser)

O vestibular da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) realizado nesta quarta-feira (10) apresentou pelo menos duas questões bastante controversas. Uma diz respeito ao economista Milton Friedman e a outra sobre a economia em vigor na Alemanha nazista.

A questão sobre Friedman (nº 22 da prova de história) apresentou um texto de autoria de Naomi Klein que afirma que o professor Milton Friedman, expoente da Escola de Chicago, “atuou como conselheiro do ditador chileno Augusto Pinochet”. A associação, no entanto, entre o liberal e o ditador chileno é forçada e exagerada.


PUBLICIDADE


Roberto Rachewsky, um dos fundadores do Instituto de Estudos Empresariais (IEE) e, atualmente, presidente do Conselho Administrativo do Instituto Atlantos, manifestou-se em seu perfil no Facebook: “Milton Friedman nunca foi conselheiro de Pinochet. Pelo contrário, sempre criticou a opção política do ditador chileno de usar métodos tirânicos para combater o comunismo, contra o qual Friedman usava apenas a razão”. [1]

No mesmo texto, Rachewsky considerou “vergonhoso que questões como essas sejam plantadas com o único objetivo de perverter a verdade e tentar doutrinar os jovens estudantes”.

A página do Livres do Rio Grande do Sul, por sua vez, também comentou o assunto. “Como já era de se esperar, o Vestibular da UFRGS mais uma vez veio carregado de questões pra lá de tendenciosas. […] Não se deixe manipular: Milton Friedman jamais atuou como conselheiro de Pinochet ou colaborou com regimes antidemocráticos”. Anexado ao texto, um vídeo onde o próprio Friedman nega ter atuado como conselheiro. [2]


PUBLICIDADE


“Eu nunca aconselhei Pinochet, eu nunca apoiei Pinochet. O Chile foi um lugar onde um regime militar encabeçado por Pinochet estava disposto a trocar a organização da economia de um sistema centralizado por um sistema descentralizado. Neste processo, um grupo de pessoas que foram treinadas na Universidade de Chicago, no departamento de economia, que foram chamados de ‘Chicago Boys’, teve um papel crucial no planejamento e implantação das reformas econômicas”, explicou Friedman, em vídeo da década de 1990.

Ele também complementou: “O verdadeiro milagre econômico do Chile não foi que essas reformas funcionaram tão bem. O Chile é a melhor história de sucesso na América Latina atualmente em qualquer área. O verdadeiro milagre não se deve ao fato dos arranjos econômicos terem funcionado tão bem, porque Adam Smith disse que isso ocorreria. O verdadeiro milagre foi uma junta militar estar disposta a deixar fazer essas reformas”, disse.

A questão sobre a Alemanha Nazista (nº 15), por sua vez, citava um trecho de O Terceiro Reich no Poder, de autoria de Richard Evans. Depois do texto, ela perguntava ao vestibulando qual era a “política econômica implementada pelo nazismo na Alemanha da década de 1930”. A resposta correta, segundo o gabarito divulgado, era de que a Alemanha Nazista tinha uma “economia capitalista de livre mercado”, apesar da “coordenação de algumas atividades econômicas pelo Estado (sic)”. [3]

No Facebook, Rachewsky propôs a membros do Instituto Atlantos a realização de “uma aula” para abordar o que chamou de “questões absurdas do vestibular”.

+ Se o nazismo era coletivista, ele era de esquerda, direita ou terceira via?

Comentários

Receba nosso conteúdo por e-mail




Leia também