fbpx
PUBLICIDADE


Ex-ministro da Venezuela diz que ação militar estrangeira deve ser considerada

Artigo publicado na Folha de S. Paulo foi repercutido pelo presidente do Conselho Deliberativo do Instituto Liberal, Rodrigo Constantino

- Publicado no dia
Nicolás Maduro (Foto: Reprodução / Diário do Acionista)

A crise venezuelana já se arrasta há bastante tempo, inclusive provocando uma onda crescente de refugiados no norte do Brasil. Muito se discute como resolver isso. O economista Rodrigo Constantino, colunista da Gazeta do Povo, replicou um artigo publicado pela Folha de S. Paulo no último dia 3 sugerindo a necessidade de considerar uma medida radical: a ação de uma força militar estrangeira para deter o regime de Nicolás Maduro. [1]

O autor é Ricardo Hausmann, ex-ministro do Planejamento daquele país entre 1992 e 1993 e ex-economista-chefe do Banco Interamericano de Desenvolvimento, atualmente diretor do Centro para Desenvolvimento Internacional da Universidade Harvard. Com o título “Intervenção militar estrangeira na Venezuela deve ser considerada”, ele basicamente sustenta que, “conforme pioram as condições na Venezuela, as soluções que agora devem ser consideradas incluem o que antes era inconcebível”, isto é, “a intervenção militar por uma coalizão de forças regionais”. [2]


PUBLICIDADE



Constantino decidiu destacar parágrafos em que Hausmann fornece fundamentos legais para a iniciativa. Ele começou comparando essa força regional com a coalizão internacional que libertou a Europa no final da Segunda Guerra Mundial, unindo canadenses, australianos, britânicos e americanos, e com a ação dos EUA para livrar o Panamá “da opressão de Manuel Noriega, instalando a democracia e o mais rápido crescimento econômico da América Latina”.

Em seguida, ele efetivamente detalhou o que diz o direito internacional: “nada disso exigiria a aprovação do Conselho de Segurança da ONU (o que a Rússia e a China poderiam vetar), porque a força militar seria convidada por um governo legítimo buscando apoio para o cumprimento da Constituição do país”. A ideia é que a Assembleia Nacional decrete o impedimento de Maduro e, não conseguindo retirá-lo, acione as forças internacionais.

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O sexto grupo do Boletim da Liberdade no WhatsApp está com vagas abertas. É por tempo limitado. Entre apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.