fbpx
PUBLICIDADE

Advogados pedem à Justiça que TSE faça novo teste nas urnas antes das eleições

Dentre as alegações, está a de que o tribunal não prevê obrigatoriamente a realização de um novo teste público de segurança após a identificação de falhas em anterior; em dezembro, foram encontradas três
(Foto: Marcelo Camargo / ABr)

(Foto: Marcelo Camargo / ABr)

Um trio de advogados do Rio de Janeiro ingressou no último dia 21 com uma representação no Tribunal Superior Eleitoral solicitando que o órgão realize outro teste público de segurança nas urnas eleitorais antes da realização do primeiro turno de 2018, previsto para outubro. O grupo, composto pelos advogados Manolo Salazar, Bernardo Santoro (ex-presidente do Instituto Liberal) e Pêdra Mattos alega que, pelas regras atuais, o TSE não tem essa obrigatoriedade.

O pedido de um novo teste público surge em decorrência das falhas encontradas no primeiro, realizado entre novembro e dezembro de 2017. Foram testados 14 pontos e três falhas foram identificadas, que estariam sendo agora corrigidas. Segundo os advogados, o grupo de programadores conseguiu até mesmo alterar alguns textos do sistema operacional da urna. Um novo teste atestaria, assim, “a correção e o sucesso da nova versão dos sistemas de urna”. [1]

A notícia do encontro de vulnerabilidades acalentou ainda mais o debate sobre a segurança das urnas eletrônicas. Segundo um artigo publicado em 2014 pelo site JusBrasil, até o grupo “Anonymous” já teria tecido críticas à respeito da tecnologia empregada no país. [2]





Dos frequentes críticos às urnas eletrônicas, está também o deputado federal e pré-candidato à presidência da república Jair Bolsonaro. Em agosto, ele afirmou que se as eleições de 2018 não tiverem o voto impresso em todas as urnas, projeto seu aprovado no Congresso, o Brasil deve se “preparar para ter um presidente eleito na fraude do PT ou do PSDB”.

“Se esses partidos estivessem preocupados com a transparência ou com a moralidade, estariam denunciando o que eu estou denunciando aqui agora, que é de conhecimento de todos nós em Brasília”, acusou. [3]

O jornalista Olavo de Carvalho, por sua vez, já chegou a afirmar “ter certeza absoluta” de ter havido fraude em  eleições anteriores. “Não precisa ter havido fraudes aqui e ali. A apuração secreta é fraude. Se você não tem meio de verificar os votos, acabou. A proposta é indecente”, criticou Olavo. [4]

De acordo com o portal Estadão, o TSE teria afirmado que as falhas descobertas em dezembro não apresentariam risco à votação de 2018. [5]









O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

➡ Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga e interaja em nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama