fbpx
PUBLICIDADE

Pré-candidato à presidência, Álvaro Dias defende privatizações com ressalvas

Em entrevista ao jornal 'Gazeta do Povo', o senador Álvaro Dias (Podemos) comentou sobre possíveis ideias para um governo: entre elas, uma ampla reforma tributária que resultaria em um "imposto quase único"
Foto: Wenderson Araujo/Gazeta do Povo
Foto: Wenderson Araujo/Gazeta do Povo
PUBLICIDADE

O senador Álvaro Dias (Podemos) concedeu na última quarta-feira (27) ao jornal Gazeta do Povo uma entrevista sobre seu projeto de lançar-se candidato à presidência em 2018. Defendendo uma ampla reforma no estado, o parlamentar considerou-se de “centro” e defendeu privatizações de estatais, com exceção daquelas que considera “estratégicas”, caso principalmente da Petrobrás. [1]

PUBLICIDADE

Perguntado sobre a distribuição de cargos no governo para garantir governabilidade, Dias afirmou que é possível nomear por meio de critérios técnicos e não políticos, contanto que haja apoio na sociedade. E garantiu que já fez isso em sua experiência administrativa como governador do Paraná.  “Com o apoio da sociedade, você terá o apoio do Congresso. Porque o Congresso não rema contra a maré”, defendeu.

Leia também:  Consultoria projeta resultado das prévias do PSDB, em novembro

Acreditando ser necessário que o novo presidente faça uma grande reforma logo no início do mandato, o senador comentou que, caso eleito, pretende se debruçar diante em uma grande reforma tributária. “Tem de haver um imposto quase único”, comentou ao jornalista Fernando Martins, da Gazeta.

PUBLICIDADE

“A ideia é tributar menos o consumo e mais a renda. No caso, se estabeleceria o imposto sobre movimentações financeiras, que estabelece a impossibilidade de sonegação. E esse imposto quase único abarcaria quase todos os tributos existentes”, explicou, complementando que a população pagaria menos e o Imposto de Renda recairia a quem ganha mais.

Sobre privatizações, Dias falou que “quase todas as estatais” devem privatizadas, mas para a Petrobrás a solução deveria ser “qualificar tecnicamente”. “Desonestidade na administração pública não é regra”, comentou.

Leia também:  Consultoria projeta resultado das prévias do PSDB, em novembro

Com um discurso que lembra o também pré-candidato Jair Bolsonaro, Dias denunciou que nada valeria uma privatização da Petrobras para alguma outra estatal. “Se for privatizada, [a Petrobras] continuará estatal com outro idioma. Porque certamente uma estatal chinesa ou norueguesa vai comprar. Em vez de gerar recursos para o país, vai gerar para outra nação”, opinou.

Quanto as projeções para as eleições de 2018, o senador Álvaro Dias – que militou durante muito tempo nas fileiras do PSDB, que considera como um “partido paulista” – apontou que “uma bipolarização entre a extrema esquerda e a extrema direita” pode ser “extremamente nociva para o país”. Para ele, Lula representaria uma “extrema esquerda organizada em função dos últimos anos de aparelhamento do estado” e Bolsonaro seria o representante de uma “extrema-direita desorganizada, mas ativa, principalmente nas redes sociais”.

PUBLICIDADE

Compartilhe essa notícia:

Leu até aqui? Siga nas redes!

MARCAS APOIADORAS

Podcast

O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Você tem certeza que deseja cancelar sua assinatura?