fbpx
PUBLICIDADE

Universidades públicas lideram lista das piores pós-graduações no Brasil

Cursos de mestrado e doutorado em universidades renomadas como a USP, a UFRJ e a UNB foram considerados insuficientes e indicados para o descredenciamento
(Foto: Reprodução / Unila)
(Foto: Reprodução / Unila)
PUBLICIDADE

Foram divulgadas nesta semana as notas das instituições acadêmicas para programas de pós-graduação, de acordo com as avaliações do CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoas do Nível Superior). A avaliação é quadrienal e registra uma quantidade predominante de universidades públicas entre as piores. [1]

PUBLICIDADE

As notas são atribuídas em índices que variam de 1 a 7. Notas 1 e 2 são consideradas insuficientes e recomendam o descredenciamento do curso. Em ponto máximo, as notas 6 e 7 representam equiparação a níveis internacionais de excelência. Universidades como USP, UFRJ, UNB, UFMG e, no grupo das privadas, a PUC, tiveram cursos com recomendação de descredenciamento. [2]

PUBLICIDADE

No caso da PUC, o mestrado em gerontologia e o doutorado em administração e em ciências sociais em São Paulo foram alvo das notas insuficientes. Entretanto, a maioria absoluta das instituições atingidas é pública. Na Universidade de São Paulo, foram considerados insuficientes os programas de doutorado de medicina/clínica cirúrgica, nutrição humana aplicada, história econômica, literatura e cultura russa, estudos judaicos e árabes e estudos da tradução. Na Universidade Federal do Rio de Janeiro, sofreram o golpe os cursos de economia política internacional, produtos bioativos e biociências, história das ciências e das técnicas e epistemologia e Letras/letras clássicas.

Compartilhe essa notícia:




O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

➡ Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga e interaja em nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama