SOBRE     ASSINE     NEWSLETTER     FACEBOOK     TWITTER     YOUTUBE



Prefeito do Rio sanciona projeto que prevê volta dos cobradores; NOVO votou contra

Nova regulação no transporte coletivo do Rio de Janeiro tem potencial para aumentar os custos das empresas e, por conseguinte, dos bilhetes; na Câmara Municipal, apenas o vereador Leandro Lyra votou contra

- Publicado no dia
Exemplo de ônibus equipado apenas com a bilhetagem eletrônica (Foto: Folha de S. Paulo)

O prefeito do Rio de Janeiro Marcelo Crivella (PRB) sancionou na última segunda-feira (18) um projeto de lei que obriga os veículos de transporte coletivo em circulação na cidade terem empregados exclusivos para atuarem como cobradores de passagens. A lei, agora com o nº 6.304, também assegura a função do cobrador até em caso de haver bilhetagem eletrônica.

Quando tramitado na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, em novembro, apenas o vereador Leandro Lyra (NOVO) votou contra mais essa regulação. No Facebook, o parlamentar – que é o primeiro político eleito pelo Partido Novo na cidade – afirmou que entende que a medida é um “retrocesso no sistema de transporte carioca”, especialmente no “contexto em que a tecnologia é cada vez mais presente”.


PUBLICIDADE



“Temos maneiras mais eficientes de resolver o problema da dupla função, como diversas cidades em países desenvolvidos já o fazem, a exemplo da bilhetagem eletrônica”, ponderou, complementando que a bilhetagem eletrônica também “reduz o tempo médio do embarque”, propicia o “registro de dados para aperfeiçoamento das linhas de transporte” e pode até prevenir a exposição de motoristas e passageiros a assaltos por reduzir a circulação de dinheiro vivo.

Polêmica

O debate sobre a proibição da dupla-função de motorista e cobrador em um único funcionário já vem há tempos e, dentre outros argumentos, estavam a segurança do trânsito. O projeto de lei original é do ano de 2007 e foi endossado por sindicatos de cobradores de ônibus que viam seus empregos ameaçados também em virtude do avanço da tecnologia.

Curiosamente, a nova lei que obriga a volta dos cobradores de ônibus foi defendida por vereadores que já reclamam do alto valor das passagens de transporte público na cidade. Entre eles, o vereador Carlos Bolsonaro, filho do deputado federal e pré-candidato à presidência da república Jair Bolsonaro.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Seja um assinante e receba nosso conteúdo por Whatsapp


Seja um mantenedor com uma doação única de qualquer valor

Comentários

Receba nosso conteúdo por e-mail




Leia também