fbpx
PUBLICIDADE

Fabio Ostermann critica Bolsonaros e cria expressão ‘bolsoliberalismo’

O deputado Jair Bolsonaro havia defendido a intervenção do governo no controle chinês sobre o mercado de milho, e o filho Carlos na importação de banana equatoriana
Fabio Ostermann (Foto: Reprodução / Bandeirantes)

Fabio Ostermann (Foto: Reprodução / Bandeirantes)

O presidente do PSL/Livres no Rio Grande do Sul e cientista político Fabio Ostermann teceu neste domingo (10) novas críticas à família Bolsonaro pelas redes sociais. Desta vez, além de questionar opiniões, ele cunhou uma nova expressão irônica: o “bolsoliberalismo”.

Tudo começou quando Jair Bolsonaro manifestou novamente seus receios com relação à China. “China assume controle de 20% do mercado de sementes de milho, o país está perdendo o controle da produção primária e da sua própria segurança alimentar. É preciso estabelecer limites legais, urgente”, argumentou em seu Twitter. O filho, Carlos Bolsonaro, acrescentou: “Livre comércio é uma coisa, bumbum livre é outra: então surgem os canalhas que se fazem de desentidos (sic) quando Bolsonaro não concorda com a importação das bananas do Equador, alimentadora do Foro de SP, além de saúde e economia brasileira em risco”.





Fabio definiu sarcasticamente as manifestações dos dois parlamentares como exemplos de um “bolsoliberalismo”. Também comentou: “O pessoal reclama que eu pego no pé, mas a turma não se ajuda. Não contente o BolsoPai em defender a intervenção no mercado de MILHO por uma questão de ‘segurança alimentar’ (sic), vem em cima ainda o Bolsofilho e complementa defendendo a intervenção no mercado de BANANAS”. Ostermann concluiu, mais uma vez ironicamente, perguntando se o próximo passo seria “estatizar supermercados”.

 





O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

➡ Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga e interaja em nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama