PUBLICIDADE


Instituições e personalidades homenageiam o centenário de Roberto Campos

Confira as manifestações de personalidades, ativistas e instituições liberais sobre a importância do respeitado liberal mato-grossense que foi ministro do Planejamento

- Publicado no dia
(Foto: Reprodução / G1)
(Foto: Reprodução / G1)

O famoso liberal mato-grossense Roberto Campos, que ocupou a pasta do Ministério do Planejamento no governo Castelo Branco e teve sua trajetória relembrada por este Boletim, continua a ser tema de comentários de personalidades e instituições liberais no começo da semana que marca os seus 100 anos de nascimento.  Os comentários incluem celebrações de suas conquistas e ideias e até algumas aplicações críticas de seu pensamento aos problemas do presente.

Selecionamos alguns desses comentários:

Ivanildo Santos, Diretor de Comunicação do Students For Liberty Brasil

“Roberto Campos já foi o ícone da direita brasileira. Culto, intelectual, elegante, dedicou boa parte da sua vida a combater tudo que há de errado no estado brasileiro. Chamava a praga que flagelava o Brasil de doença dos ‘ismos’: ‘o nacionalismo (temperamental), o populismo (perdulário), o estruturalismo (inflacionário), o estatismo (intervencionista) e o protecionismo (anticompetitivo)”. Com uma pena sagaz, um dos alvos preferidos das suas sátiras eram aqueles que estavam presos no neolítico. Os que acreditavam que o passaporte para o desenvolvimento brasileiro estava em riquezas intocadas debaixo do solo, ainda não exploradas – ou exploradas de forma predatória – por sabotagem de algum grupo internacional. (…) Todo o trabalho de Roberto Campos parece ter sido em vão. Hoje, o ícone da direita brasileira é um senhor bronco, rude, mal educado, que vê como solução para o país controlar, seja lá Deus o que isso significa (geralmente é um eufemismo para estatização), a produção de nióbio e investir na tecnologia milagrosa conhecida como ‘grafeno’. Sim, este senhor fala isso no mesmo ano que uma produtora de bens de consumo como a Apple tem mais dinheiro em caixa do que o valor de mercado de toda a bolsa brasileira. Voltamos as mesmas propostas maculadas pela doença dos ‘ismos’ que Campos lutou contra toda sua vida. A mesma visão torta crente de caminhos fáceis, sem enfrentamento às corporações que dominam o estado brasileiro. Triste.”

Leia também:  RS: Ostermann quer melhorar critérios de entrega de medalha da ALERS

Fabio Ostermann, presidente estadual do LIVRES-RS

“Fosse ainda vivo, o grande Roberto Campos (1917-2001) completaria hoje 100 anos. Sua lucidez e visão fazem muita falta ao debate político atual!”

Rodrigo Constantino, economista, blogueiro e colunista da IstoÉ e Gazeta do Povo

“Será que o abuso das empresas administradas pelo Estado é algo inesperado, raro? Talvez a magnitude do esquema, a ousadia dos corruptos e o alastramento da podridão possam assustar mesmo, mas não a essência do problema. Ao menos não para quem esteja familiarizado com o pensamento liberal, que teve em Roberto Campos um de seus maiores ícones no Brasil. Campos comprou essa briga décadas atrás, praticamente sozinho no meio político, e o próprio termo pejorativo ‘Petrossauro’, que cunhou para se referir à então idolatrada Petrobras, demonstra como ele já imaginava o potencial estrago com a empresa gigantesca e paquidérmica nas mãos dos políticos. Enquanto quase todos gritavam ‘o petróleo é nosso!’, Campos argumentava com lógica contra o fetiche do nacionalismo estatizante. O tempo mostrou quem estava certo.”

Partido Social Liberal

“Roberto Campos (1917-2001) viveu numa época em que falar sobre ideias liberais era visto com estranheza e hostilidade pela quase totalidade dos brasileiros. Mas havia verdades que precisavam ser ditas, e ele era a pessoa com a coragem de dizê-las. (…) Campos foi apresentado à Escola Austríaca de Economia, onde encontrou embasamento teórico para o bom senso que já habitava a sua mente. ‘Delfim, perdi muito tempo. Só deveria ter lido Hayek’, comentou, sem nenhuma razão aparente, com seu então colega de parlamento, Delfim Netto, referindo-se ao economista e filósofo liberal Friedrich Hayek. Também se tornou fã de outros austríacos: Mises e Schumpeter (de quem recebeu um elogio por sua tese de mestrado) e começou a prestar atenção às políticas econômicas praticadas por Margaret Thatcher, na Inglaterra, e Ronald Reagan, nos Estados Unidos. (…) Uma coincidência: Roberto Campos nasceu no dia 17 de abril de 1917. 17 é mesmo um número de sorte para a liberdade, não acham?”

João Dionísio Amoedo, fundador e presidente do Partido NOVO

Leia também:  RS: Ostermann quer melhorar critérios de entrega de medalha da ALERS

“Cabe agora aos brasileiros de bem finalmente colocar suas ideias em prática.”

Instituto Liberal de São Paulo

“Em um debate histórico ocorrido em 1985, o comunista Luis Carlos Prestes, então ídolo da esquerda, foi colocado para debater com o liberal Roberto Campos, nascido há exatos 100 anos. O resultado foi uma aula de capitalismo e socialismo dada por Roberto Campos que continua em boa parte atual, e que o ILISP traz hoje com áudio remasterizado.”

Instituto Liberal do Nordeste

“Hoje estamos comemorando o centenário de Roberto Campos, que foi diplomata, político, economista e um dos homens mais lúcidos de nosso país. Viva Roberto Campos!”

Partido NOVO

O partido divulgou este vídeo:

Comentários

Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.