Vereador do Livres admite provável cassação de vereador do PSL no Acre

Ele é presidente da Comissão de Ética da Câmara Municipal de Rio Branco e comentou o caso do colega de partido acusado de receber propina para auxiliar vendas ilegais

- Publicado no dia
Emerson Jarude (Foto: Divulgação / Facebook)
Emerson Jarude (Foto: Divulgação / Facebook)

Um caso de corrupção no Acre levou um vereador do Livres, a corrente renovadora do Partido Social Liberal, a sustentar que a cassação de outro vereador do mesmo partido é inevitável. Eles são, respectivamente, Emerson Jarude, presidente da Comissão de Ética da Câmara Municipal do Rio Branco, e José Carlos dos Santos Lima, conhecido como Juruna.

A notícia foi repercutida pelo site Acre em Revista, que dá conta de que Juruna foi acusado de receber propina para auxiliar vendas ilegais de lotes do complexo de camelôs da capital. Segundo o vereador Jarude, o artigo 14 do Código de Ética da Câmara estabelece que o político deve perder o mandato em caso de condenação criminal. Isso se encaixa no exemplo do vereador, já condenado em segunda instância por falsidade ideológica, corrupção ativa, peculato e tráfico de influência.

A matéria informa ainda que a Comissão de Ética e Decoro Parlamentar irá iniciar o processo de cassação, através do encaminhamento de um requerimento que faz essa solicitação. “Independentemente de sermos do mesmo partido, a lei vale para todos. Vamos dar encaminhamento e fazer valer o Regimento Interno da Câmara Municipal”, disse Emerson Jarude, comentando o fato de o alvo do processo ser do seu mesmo partido.

Emerson Jarude, advogado e graduado em Direito pela Universidade Federal do Acre, atualmente com 27 anos, foi o nono vereador mais bem votado entre os 17 eleitos para ocupar cadeira na Câmara Municipal de Rio Branco na atual legislatura, sendo escolhido para liderar seu partido no atual biênio. Foi o candidato mais jovem eleito nas últimas eleições e atuou anteriormente em órgãos como Correios, Detran, Procuradoria Geral do Estado, Defensoria Pública, Sebrae e Tribunal de Justiça.

Comentários

Receba nosso conteúdo por e-mail


Leia também