Condenado no STJ, defender que Lula é perseguido virou insanidade - Colunas - Boletim da Liberdade

Condenado no STJ, defender que Lula é perseguido virou insanidade

25.04.2019 07:50

Na última terça-feira (23), Lula, condenado à prisão por corrupção e lavagem de dinheiro, teve recurso julgado pelo STJ. A condenação foi mantida. No entanto, os ministros, por unanimidade, reduziram a pena de 12 para 8 anos de prisão. O Supremo Tribunal de Justiça também reduziu a multa do petista de R$ 16 milhões para R$ 2,4 milhões de reais.

Lula havia sido condenado por ter recebido um Triplex da construtora OAS, no valor de R$ 3,7 milhões de reais, ocultando também a titularidade do imóvel. Em decorrência, se encontra preso desde abril do ano passado, na sede da superintendência da Polícia Federal, em Curitiba.

A decisão do STJ em reduzir a pena e multa de Lula trouxe revolta à população, uma vez que trouxe a possibilidade de progressão de regime do ex-presidente, que poderia sair, ainda esse ano, do regime fechado para o semiaberto. Vale ressaltar que tal progressão dependeria ainda do pagamento da multa estabelecida, conforme citado pelo ministro Felix Fischer em seu voto.

Na prática, em caso de regime semiaberto, Lula iria para uma prisão agrícola, podendo sair para trabalhar (será que a cadeia o faria tal bem?). Não havendo vaga em prisão agrícola, Lula poderia ser direcionado para cumprir a pena no que é popularmente chamado de “prisão domiciliar”. Tendo em vista a necessidade de pagar os R$2,4 milhões de reais para progredir de regime, alguns petistas já falam em “vaquinha” para Lula.

No comício eleitoral que os petistas chamam de “vigília”, com alguns gatos pingados, em Curitiba, um advogado de Lula inicia seu discurso dizendo que vai falar do julgamento do STJ em si e deixar a parte política para outro “companheiro”. No entanto, a primeira coisa que ele faz é disparar um discurso marxista dos mais conhecidos. Afirma que Lula está diante de um julgamento promovido pela luta de classes, e que o mundo gira em torno disso. Após, diz que o “metalúrgico Luiz Inácio Lula da Silva” está sendo julgado por inimigos naturais, que seriam parte de uma elite. O velho papo furado de sempre.

A decisão do STJ em reduzir a pena e multa de Lula trouxe revolta à população, uma vez que trouxe a possibilidade de progressão de regime do ex-presidente

Ora, na verdade, o próprio Lula é elite e faz parte dela há muito tempo. Trata-se do sujeito que declarou R$ 8 milhões em agosto de 2018 no TSE. É aquele cidadão que foi flagrado por vídeo, em um jatinho, fazendo grosserias com um funcionário, ao reclamar que a comida estava fria. Trata-se do ex-presidente que teria um triplex de R$ 3,7 milhões no Guarujá. Mesmo assim, aos olhos de um de seus advogados, o petista é um pobre operário que enfrenta a injustiça da luta de classes.

Continuando o circo de horrores, Gleisi Hoffmann, apelidada  de “Crazy Hoffmann” por alguns, manteve o discurso insano de que o petista é inocente e condenado sem provas.  Afirmou também que “só o povo nas ruas pode garantir a liberdade de Lula”. No entanto, felizmente, uma vantagem que nós temos é que o povo só vai para a rua garantir que o Lula nunca mais saia da cadeia.

Tudo isso é bizarro, mas não nos espanta, tendo em vista o aprofundamento do marxismo cultural inserido nessas pessoas, bem como a lavagem cerebral vitimista que fazem umas nas outras.

O fato é que Lula não está sendo julgado por nenhuma elite inimiga da classe operária, nem por qualquer Tribunal de exceção. O presidiário foi condenado por cometer crimes, comprovados em 1ª e 2ª instância, diante de todo o devido processo legal, com respeito ao contraditório e ampla defesa.  Cabe aos petistas uma breve inserção na realidade, para que não soem mais como idólatras fanáticos e desvairados.

FALE COM O BOLETIM

Jornalismo: jornalismo@boletimdaliberdade.com.br

Comercial: comercial@boletimdaliberdade.com.br

Jurídico: juridico@boletimdaliberdade.com.br

Assinatura: assinatura@boletimdaliberdade.com.br