O mérito de criar valor - Instituto de Estudos Empresariais - Boletim da Liberdade
PUBLICIDADE

O mérito de criar valor

19.12.2020 08:49

*André Filipe Marchesi

Uma manchete estampou recentemente diversos sites de notícias e capas de jornal: “Jeff Bezos, criador da loja virtual e prestadora de serviços Amazon, aumentou em US$ 13 bilhões seu patrimônio líquido em um único dia”. O que a manchete não disse é que Bezos tem 11% das ações da Amazon. E os demais 89%, ou equivalentes a US$ 104,11 bilhões? Essa cifra foi agregada ao patrimônio de cada acionista da empresa, em suas devidas proporções de participação. Valor e riqueza foram gerados.

O mérito e a meritocracia são palavras muito em voga, ainda mais ao tratarmos de remuneração e recompensa. Que cada um receba de acordo com seu mérito e esforço. É racional, é moral, e faz todo o sentido que assim o seja. Mas ora, um apresentador de programas na TV, ou um jogador de futebol, têm eles mais mérito do que um professor que trabalha diuturnamente, ou que milhões de trabalhadores, da mesma forma? É de se questionar.


PUBLICIDADE


Venho aqui trazer um pensamento: é o potencial de criação de valor o que definirá a remuneração e o reconhecimento pelo mercado. O número de pessoas que, com sua atividade, você consegue atingir. Não se trata apenas de esforço pessoal, suor ou dedicação. Sinto em lhes dizer. “A estrada para o inferno é pavimentada de boas intenções”, já afirmava Stephen King. O esforço, por si só, não é garantia de nada.

É claro que, se a pessoa se encontra em um campo em que gera valor, quanto mais esforço ela empregar, mais valor consequentemente gerará. A grande questão é: quanto de valor você consegue gerar na vida dos outros? O quão imprescindível você é para os demais? Caso permanecesse no porão de sua casa por dias, quantas pessoas sentiriam sua ausência, ou seriam impactadas por ela?

A meritocracia indiscutivelmente é, na dinâmica interna das organizações, um modelo de gestão que, dentro do processo de mercado, gera incentivos mais corretos para o desenvolvimento de colaboradores, seja a empresa do ramo que for. Que se premie aquele que consegue mostrar mais resultados e, nesse sentido, agregar valor à empresa em que trabalha. Se preferir matemática básica, você deverá, no momento em que é empregado, fornecer à empresa mais do que o agregado de seu salário e impostos sobre ele, benefícios, previdência privada, seguro-saúde, benefícios de alimentação, dentre outros. Caso contrário, você não está agregando valor por meio do serviço que presta. A cada real que ganha, deve retornar esse real e mais um extra à empresa. Simples.

Carl Menger e Von Mises, dentre outros autores austríacos, chegaram a uma mesma conclusão: o valor é subjetivo. O valor nada tem a ver com a quantidade de trabalho empregada na produção de qualquer bem ou serviço, mas sim com a utilidade (ou valor) que tal bem ou serviço tem para a satisfação da necessidade de uma pessoa. Se empregado, você deve atender aos objetivos definidos pela empresa, suas metas, e até mesmo superar o que é esperado de você, e estará agregando valor. Se é empreendedor, deve resolver os problemas de seu público-alvo, no nicho de mercado escolhido, qualquer que seja, superando suas expectativas e entregando ao seu consumidor mais do que o preço da transação de comprar seu bem o serviço.

O indivíduo mais esforçado e bem-intencionado, se não gerar valor para terceiros, não será recompensado. Independentemente se for empresário, empregado, profissional liberal ou voluntário, gerar valor deve ser o fim último a ser buscado. Se o seu notebook estraga, você buscará o serviço de um técnico bem-intencionado e esforçado, ou de um que conserte seu aparelho rapidamente, de forma barata e eficaz? Caso você tenha um problema de saúde, irá procurar um médico que o atenda bem e se esforce ao máximo para curá-lo, ou um médico que, como quer que seja o atendimento e tempo despendidos, o cure?

O sistema de mercado, em última análise, não irá premiar primordialmente virtude, mas sim, valor. O apresentador de TV ou o jogador de futebol impactam diariamente a vida de quantas pessoas em nível nacional ou até mesmo mundial? Milhões de telespectadores condicionam que se gerem verbas de patrocínio polpudas. Milhões de fãs consomem voluntariamente mercadorias de seu clube, mantêm o estádio e toda a infraestrutura em torno dele. Isso é valor gerado, goste-se ou não. Da mesma forma, um empreendedor que consegue exercitar o uso de criatividade em âmbito comercial e cria um mundo que ainda não existe, ou que consiga mudar o mundo existente, está agregando valor, por meio de sua atividade, a todos que consegue impactar. Evidentemente, nem tudo são rosas, e tais profissionais despenderam esforço, vontade e dedicação, muitas vezes sem que a maioria das pessoas soubesse ou reconhecesse. Mas não é isso que o mercado, em última análise, reconhece e premia, e sim o valor criado

Dito isso, faz sentido que um estado (e optarei por não conceder “E” maiúsculo, ao menos enquanto não se puder conceder “I” maiúsculo a “indivíduo”) se coloque como decisor e fornecedor de soluções para sua vida, mais do que você próprio, o maior defensor da própria felicidade e maior responsável por definir o que lhe é caro? Caberia ao estado prometer a um homem que valoriza o trabalho e o risco as mesmas garantias daquele que valoriza mais o descanso e a tranquilidade?

O que ocorre é: as pessoas mais esforçadas e bem-intencionadas do mundo, se não criarem valor, ficarão de mãos vazias.

Há muitos anos, esse mesmo estado decidiu que você deve passar seus primeiros dezesseis anos de vida inerte, sendo escolado em assuntos que ele decide que fazem sentido para você ser escolado, sem poder adquirir experiência de trabalho em atividades que poderão agregar conhecimento e técnicas valiosas para seu dia a dia, sua vida e sua experiência profissional. Além disso, instituiu uma política de salário mínimo, que serve como barreira para que você entre no mercado de trabalho, pois impede que você concorra com pessoas mais qualificadas (talvez você aceitasse trabalhar por menos do que o mínimo estabelecido pelo estado, se com isso pudesse ganhar experiência, conhecimento e prática no ofício de sua escolha, não?). Ora, se o preço mínimo de seu serviço já está estabelecido por um ente que não um acordo entre você e o empregador, o que impede esse mesmo empregador de contratar colaboradores mais velhos e experientes? É claro que conhecimento teórico e epistemológico é necessário. Porém, assim o é o conhecimento empírico. Seria um esforço temporário, que logo na frente permitiria que você obtivesse ganhos maiores que o mínimo definido em lei.

Em suma, para que você tenha suas necessidades satisfeitas, deverá satisfazer a de outros. E, sim, pode ser por meio da sorte, do talento ou de seu mérito. O que ocorre é: as pessoas mais esforçadas e bem-intencionadas do mundo, se não criarem valor, ficarão de mãos vazias. A meritocracia ampla, plena e irrestrita é, até mesmo geneticamente, impossível. Cada ser humano nasce com características diferentes, e, por mais que sofra influência do ambiente em que cresce, tem a liberdade de escolha para poder crescer e se desenvolver, à custa de si próprio. Seria a igualdade moralmente superior à desigualdade, dito isso? Penso que não. Esse sistema permite que todos possam caminhar rumo à sua felicidade e sua realização, porém, requer que se atendam outros com suas próprias necessidades. Seja o protagonista de sua própria história, e tenha mais esperanças na mão invisível do mercado do que na “mão provedora” do estado.

*André Filipe Marchesi é empresário e filiado ao IEE.


PUBLICIDADE