O monstro do corona vírus chegou e temos que vender tudo que é público! – Colunas – Boletim da Liberdade
PUBLICIDADE

O monstro do corona vírus chegou e temos que vender tudo que é público!

17.06.2020 11:59

*Edson Agatti Lima

Imagine o cenário: uma invasão alienígena está vindo à Terra. A ameaça é real. Temos informação de que chegarão em 3 meses. São hostis e virão para matar a todos nós. O diálogo não é possível e a única esperança que temos para detê-los é construir armas, tanques, aviões, espaçonaves, e enfrentá-los numa guerra.

Ao mesmo tempo as pessoas entram em pânico e se escondem dentro de suas casas. A economia para e só sobram as atividades essenciais para nossa sobrevivência – supermercados e farmácias. Por causa disso, as pessoas que trabalhavam em áreas “não essenciais” perdem sua renda, diversas empresas quebram, e a economia como um todo começa a afundar.

PUBLICIDADE

[wp_ad_camp_1]

Você é o governante. É pessoa honesta, quer fazer o bem, e tem três opções para alocação de recursos:

1) Produzir armas para enfrentar os alienígenas;
2) Auxiliar as pessoas mais necessitadas, que foram afetados pela crise econômica;
3) Gastar com empresas estatais deficitárias, ineficientes, corruptas, sugadoras de recursos e que não ajudam em nada no enfrentamento à ameaça.

O que você faria?

Mantenha em mente que o fenômeno da escassez é inevitável. Se você aloca recursos nas estatais, por exemplo, necessariamente terá menos recursos para construir armas para enfrentar os alienígenas.

PUBLICIDADE

Também não adianta imprimir dinheiro. Por mais que existam nuances teóricas quanto à natureza inflacionária de determinada quantidade de dinheiro novo na economia, invariavelmente, a partir de algum ponto, o dinheiro novo não produzirá unidades adicionais dos recursos que você precisa.

Qualquer pessoa sensata colocaria a maior parte dos recursos no item 1, sob pena de arriscar a sobrevivência da raça humana. Se em algum momento constatar-se que as pessoas estão sem comida e passam fome a ponto de não conseguirem lutar contra os alienígenas, faria sentido investir o excedente no item 2.

Agora, você teria que ser muito maluco para gastar com o item 3 nesta situação.

Voltamos para o momento em que vivemos. Não é tão extremo quanto a invasão alienígena, mas é o mais grave que nossa geração já viveu: a pandemia da COVID-19.

O inimigo é o vírus e, assim como numa guerra, tem matado muita gente, ameaça matar muito mais e o mercado não consegue realocar recursos de forma rápida e eficiente para enfrentar o inimigo. Ou seja, as pessoas provavelmente não conseguirão se coordenar de forma voluntária para enfrentar o vírus, tão rápido quanto uma imposição estatal conseguiria.

Por princípio, a intervenção estatal mais adequada é aquela que, com determinado volume de recurso, traz o maior benefício para a população. Portanto, quanto mais intensa a ameaça, mais teremos de alocar recursos para enfrentar diretamente tal ameaça. No caso da atual crise, isto é desejável para que possamos salvar o máximo de vidas possível e retornar à normalidade de nossas vidas com mais velocidade e segurança.

Mas a pergunta que não se cala é: quais são, de fato, as intervenções estatais necessárias para enfrentar o corona vírus?

Para ajudar a entender a questão, podemos categorizar tais intervenções de forma parecida como no exemplo da invasão alienígena:
1. Produzir armas para enfrentar o inimigo: gastos com subsídios ao sistema de saúde que incluem o aumento da capacidade instalada dos hospitais, mão de obra de médicos e enfermeiros, remédios, respiradores, máscaras, testes em massa, etc.
2. Ajudar os necessitados: gastos para ajudar quem mais sofre com os efeitos colaterais da crise econômica gerada pela pandemia. Por exemplo, um auxílio financeiro emergencial.
3. O resto: gastos com outras coisas, que podem até ter alguma outra utilidade social, mas que não ajudam em nada ao enfrentamento da pandemia, e dentre os quais estão os custos de manter as empresas estatais deficitárias já existentes.

Portanto a ajuda aos necessitados, apesar de também importante, se tornaria segunda prioridade.

Quanto mais intensa a ameaça, mais importante se torna enfrentá-la de frente. Ao aceitarmos que a pandemia é uma grave ameaça e que devemos enfrentá-la, assim como seria na invasão alienígena, há maior necessidade de alocar recursos para “produção de armas” para o sistema de saúde, em detrimento aos outros gastos. Portanto a ajuda aos necessitados, apesar de também importante, se tornaria segunda prioridade.

Não consigo imaginar qualquer argumento razoável para se desejar investimento no item 3 num momento como este. Já que o recurso empregado aqui, necessariamente também retira recursos das outras atividades produtivas na sociedade e não traz utilidade alguma para o enfrentamento da crise.

Isto serve para mostrar que as intervenções estatais não podem ser “jogadas todas no mesmo bolo” quando discutimos o papel do Estado na sociedade. Além de intervir em caso de guerras e pandemias, também é papel do Estado proteger a nossa vida, resguardar o império da lei, o direito de propriedade, a segurança pública e a nossa liberdade. Poucas são as outras atribuições justificáveis.

Recentemente Lula causou alvoroço ao fazer este infeliz comentário:

“Quando eu vejo essas pessoas acharem que tem que vender tudo que é público e que tudo que é público não presta nada… Ainda bem que a natureza… criou esse monstro chamado corona vírus, porque… apenas o estado é capaz de dar solução a determinadas crises.”

Ele continua:

“Imagina quando Roosevelt teve que agir na guerra. Você acha que ele estava preocupado com orçamento? Não! Ele tinha que fazer armas para vencer a guerra.”

O alvo da crítica é o governo Bolsonaro, com claro foco nos discursos de privatização e outras políticas econômicas liberais de Paulo Guedes. Não vou aqui rechaçar o comentário do Lula nem defender o governo Bolsonaro, o que eu quero é debater as ideias por trás do comentário – as quais devem receber respaldo da classe intelectual.

Senhor Lula, lhe respondo: sim, este monstro chamado corona vírus demonstrou que o Estado pode ajudar enfrentar as pandemias, assim como nas guerras. Sim, assim como Roosevelt fez na guerra, temos que realocar os recursos disponíveis para produzir “armas” contra o vírus.

E… é exatamente por causa disso que, mais do que nunca, temos que vender todo o resto que é público e que serve, preponderantemente, para atender ao fisiologismo político com loteamento de cargos e sugar os recursos de quem produz. Logo, quanto mais rápido esse aparato deixar de existir, mais recursos estarão disponíveis para enfrentar tais guerras e/ou menor será a necessidade de arrecadação de impostos.

Ah, e de fato, para nós, os demais cidadãos, todo esse resto aí “não presta nada [sic]”!!!

*Edson Agatti Lima é Mestre em Economia pela George Mason University, associado do IFL Brasília, e fundador do Hayek Global College.

Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal

[wp_ad_camp_1]