‘PSL foi o único partido que aceitou ingressar com a ação’, relata Carvalhosa

Em transmissão ao vivo no Facebook, o também advogado Rodrigo Saraiva Marinho explicou a ação, mas disse que todos os partidos usam o fundo partidário e, por isso, é ‘burrice’ abrir mão do recurso agora

- Publicado no dia
Foto: Reprodução/Facebook

O jurista Modesto Carvalhosa, entusiasta das candidaturas avulsas, disse em vídeo ter procurado todos os partidos brasileiros para dar entrada em uma ação contra o projeto de lei que implementou o “Fundão Eleitoral”. Segundo ele, apenas o PSL aceitou assinar a ADIN.

“Entre 35 partidos, [o PSL] foi o único que aceitou ingressar com uma medida contra esse […] assalto aos cofres públicos feitos pelos partidos políticos que dominam o Brasil”, desabafou o jurista, elogiando o deputado federal Luciano Bivar (PSL/PE). O Partido Novo não poderia ter entrado com a ação pois, de acordo com a Constituição Federal, não possui representatividade no Congresso Nacional.

Abrir mão do fundo partidário agora é “burrice”, diz Marinho

Em transmissão ao vivo na página do partido no final da tarde desta terça-feira (17) para falar sobre a medida, o advogado Rodrigo Saraiva Marinho, líder da corrente Livres no Ceará, reafirmou que o partido é contrário ao “Fundão Eleitoral” e também ao Fundo Partidário.

“A renovação do PSL é totalmente contrária à ideia de Fundo Partidário. Nós acreditamos no financiamento voluntário”, esclareceu, deixando claro porém que considera “burrice” abrir mão desses recursos “enquanto todos os partidos usam”.


PUBLICIDADE


“Nós vamos entrar no jogo e mudar as regras do jogo. Não adianta a gente ser mais real do que o rei agora e querer se antecipar a isso. Na minha visão, vamos usar os recursos que nos cabem hoje e vamos entrar dentro do parlamento para acabar com esse tipo de recurso”, se aprofundou.

Questionado se o NOVO não usaria o fundo partidário, Marinho, porém, rebateu. “O NOVO não tem nenhum parlamentar dentro do Congresso Nacional. O NOVO usa outras coisas, mas eu não vou entrar no mérito aqui do que ele usa”. Mais tarde, afirmou que o NOVO “tem outras situações”, mas que não cabia a ele “agora estar destacando o que o NOVO usa do dinheiro público”.


Editado às 17h14 do dia 18/10: A fim de evitar interpretações erradas de declaração de Modesto Carvalhosa, incluímos a informação de que, de acordo com a Constituição, o NOVO não poderia ter ingressado com a ADIN por não ter representação no Congresso.

Comentários

Receba nosso conteúdo por e-mail


Leia também