Economista Gustavo Franco assume presidência de Fundação do Partido Novo

A informação foi divulgada por e-mail pelo partido aos seus filiados e repercutida por nomes como Rodrigo Constantino e o presidente do IMB, Hélio Beltrão

- Publicado no dia
(Foto: Daniela Toviansky/AE)

A quarta-feira foi marcada por uma notícia impactante para o ecossistema pró-liberdade brasileiro. O célebre economista Gustavo Franco, figura de destaque no Partido da Social Democracia Brasileira e na condução do Plano Real, se transferiu para o Partido Novo e assumirá a presidência da Fundação da legenda.

A informação foi divulgada pelo próprio partido através de e-mail enviado aos seus seguidores e filiados. De acordo com o texto, os principais objetivos da Fundação são “elaborar propostas para programas de governo; desenvolver estudos de políticas públicas; conduzir atividades de educação política e realizar convênios e parcerias com outras instituições no Brasil e no exterior”. O partido definiu Gustavo ainda como “uma pessoa competente, alinhada e comprometida com os valores do NOVO”.


PUBLICIDADE


Hoje aos 61 anos, Gustavo Franco é carioca e formado em Economia pela PUC-Rio, além de PhD pela Universidade de Harvard e sócio fundador da Rio Bravo Investimentos. Foi presidente do Banco Central e exerceu outras atividades no serviço público entre 1993 e 1999. Sobre a missão que acabou de aceitar, ele comentou: “nos últimos anos, os horizontes se ampliaram extraordinariamente para as ideias pró-mercado e para novas abordagens sobre o desenvolvimento tendo como base o indivíduo, o progresso pessoal e a liberdade para empreender. O NOVO oferece um veículo e uma oportunidade muito valiosa para que essas ideias se apresentem de corpo inteiro no espectro partidário e estabeleçam sua importância nos debates nacionais”.

O também economista Rodrigo Constantino chamou o acontecimento de “golaço” e disse que “mostra como a debandada de tucanos desiludidos continua”. Já o presidente do Instituto Mises Brasil, Hélio Beltrão, comemorou a notícia como um sinal de que “2018 representará o primeiro grande passo dos liberais na política” e que ainda virão “mais boas novas”.



Confira também:




Comentários

Receba nosso conteúdo por e-mail


Leia também