Ouça o direito de resposta do MBL em rádio após ataque agressivo de locutor

Radialista conhecido como “Titio Marco Antonio” debochou do nome de Kim Kataguiri e afirmou que o movimento teria apoiado uma campanha chamada “Somos todos Eduardo Cunha”, o que nunca ocorreu

- Publicado no dia
(Foto: Divulgação / Movimento Brasil Livre)

O Movimento Brasil Livre conseguiu um direito de resposta na Rádio Kiss de São Paulo após um locutor da estação musical dizer inverdades sobre a organização. Tudo teve início enquanto o assim conhecido “Titio Marco Antonio” exaltou-se ao opinar sobre o polêmico episódio da exposição controversa patrocinada pelo Santander em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul.

Dizendo-se também um “artista”, o locutor criticou o cancelamento da mostra artística, debochou de Kim Kataguiri – que chamou de “Kim Catupiry” – e afirmou que o MBL havia empenhado uma campanha chamada “Somos todos Eduardo Cunha”, o que jamais ocorreu.  Para completar, “Titio” também fez comparações do MBL com nazistas e questionou se “esse tipo de gente poderia ser chamada de gente”.


PUBLICIDADE


No direito de resposta, o MBL repudiou as “mentiras e ofensas do locutor”, condenou o deboche ao nome de Kim e esclareceu que “nunca apoiou Eduardo Cunha”, tendo inclusive sido favorável à cassação do parlamentar.

“Nenhum coordenador do MBL jamais disse ‘somos milhões de Cunhas’ ou algo do tipo. O MBL também censurou coisa nenhuma. Apenas boicotou uma mostra que expunha crianças a imagens de pedofilia e zoofilia. O boicote é um instrumento legítimo e existente em toda democracia liberal”, afirmou o MBL.

+ Após pressão do MBL e mobilização nacional, Santander fecha exposição controversa em Porto Alegre

+ MBL faz desafio inusitado ao Santander após exposição controversa

Comentários

Receba nosso conteúdo por e-mail


Leia também