LVM lançará obras de Mises roubadas e escondidas por nazistas e comunistas

Os documentos perdidos serão publicados pela editora até 2019 em três volumes, que mostrarão um Mises prático, discutindo e orientando políticas públicas

- Publicado no dia
(Foto: Reprodução / Instituto Mises Brasil)

A editora LVM, novo empreendimento envolvendo figuras ligadas ao Instituto Mises Brasil e com o projeto de conquistar amplo espaço no mercado editorial, fez um anúncio surpreendente. Ela publicará três obras do economista austríaco Ludwig Von Mises que foram roubadas e escondidas por nazistas e comunistas.

No anúncio em sua página no Facebook, a LVM divulgou um comentário de Helio Beltrão, presidente do IMB, resumindo a história desses textos. Segundo a publicação, em 13 de março de 1938, o comandante da S.S, Himmler, invadiu o apartamento de Mises em Viena com a intenção de capturá-lo, dois dias após ter chegado à cidade para perseguir os adversários mais importantes de Hitler. “No fatídico dia 13 de março”, narra o texto, “o exército alemão chega a Viena e marcha triunfalmente pelo país”, mas, ao chegar ao apartamento de Mises, ele não estava lá, pois “havia aceitado lecionar em Genebra alguns meses antes”.

Não tendo localizado o alvo, os nazistas confiscaram 21 caixas de bens de propriedade de Mises e pilharam tudo que havia lá no outono, de correspondências pessoais até roupas. No final da Segunda Guerra Mundial, o Exército Vermelho da União Soviético encontrou os documentos de Mises em um trem na Bohemia, guardando-os em um arquivo secreto em Moscou, que só foi descoberto em 1991 por Richard Ebeling e sua esposa.

A LVM publicará esses documentos em três volumes até 2019: “Vol.1: Problemas Monetários e Econômicos, Antes, Durante e Após a Primeira Grande Guerra”, Vol. 2: “Entre as Guerras Mundiais: Desordem Monetária, Intervencionismo, Socialismo e a Grande Depressão”, e “Vol 3: “A Política Econômica da Reforma e Reconstrução Internacional”. Segundo a editora, nesses livros é possível conhecer “o Mises prático, que discutia e orientava políticas públicas durante sua carreira de chefe da Câmara de Comércio, um órgão não-governamental com altíssima influência nas políticas públicas da Áustria”.


PUBLICIDADE


Curiosidade: o Batman de Berlim

A publicação da LVM divulgou ainda uma curiosidade interessantíssima, mencionada originalmente na página “Libertarianismo Geek”. Uma versão alternativa do famoso personagem Batman, das histórias em quadrinhos da DC Comics, já atuou em uma HQ em uma tentativa fictícia de resgatar a propriedade de Mises confiscada pelos nazistas.

(Foto: Reprodução / Facebook)

A história se intitula “O Batman de Berlim”, escrita por Paul Pope para a edição # 11 de Crônicas do Batman, de 1998, e o personagem se chamava Baruch Wane – um Bruce Wayne (identidade secreta do Batman clássico) da Berlim da Segunda Guerra Mundial. Wane, na trama, era um pintor cubista judeu e “o grande defensor das poucas liberdades que ainda restam na Alemanha nazista

O personagem escreveu em seu diário: “Ludwig Von Mises escapou para os Estados Unidos quando os nazis invadiram seu apartamento em 1939. Foi sua senhoria, uma amiga de sua mãe, quem delatou às autoridades que Von Mises estava trabalhando em um novo livro que contrariava as políticas sociais e econômicas do regime nazista. Eles o atrapalharam, mas não puderam impedí-lo. Ele continuou a trabalhar em seu livro, que eventualmente foi publicado em 1949, chamado ‘Ação Humana’, hoje considerado uma das maiores obras libertárias de todos os tempos. As ideias antiautoritárias de Von Mises primeiro foram uma ameaça aos nazistas,então aos soviéticos, e então a todos os governos cada vez mais intervencionistas de nossos tempos. Ele se opôs ao socialismo em todas suas várias formas. Ele defendeu a liberdade individual, a liberdade de expressão e de pensamento”.


PUBLICIDADE


Comentários

Receba nosso conteúdo por e-mail


Leia também