PSDB defende parlamentarismo e poder do presidente de dissolver o Parlamento

Prerrogativa de dissolução do Parlamento é muito similar a uma das atribuições do imperador no sistema monárquico que alguns movimentos pretendem restaurar

- Publicado no dia
(Foto: George Gianni / PSDB)

O Partido da Social Democracia Brasileira retomou na última propaganda partidária uma bandeira que assumiu na Constituinte de 1988: o parlamentarismo. A tese é querida por muitos liberais e é defendida pelos monarquistas – mas o PSDB deseja um Parlamentarismo republicano.

A propaganda começa com o partido assumindo “seus erros”: a aceitação do “fisiologismo” e a cessão “ao jogo da velha política”. Apesar de poder ter funcionado por um tempo, o PSDB alega que o sistema do presidencialismo brasileiro, conformado no “presidencialismo de coalizão”, não funciona mais.

Para substituí-lo, o partido defende um parlamentarismo em que o presidente e o primeiro-ministro são eleitos pelo povo e este último precisa formar maioria no Parlamento para governar, submetendo-se a um programa de governo previamente estabelecido, o que evitaria o “balcão de negócios”. Em caso de crise política, o presidente tem o poder de dissolver todo o Parlamento e convocar novas eleições, expurgando não só o primeiro-ministro, como todos os parlamentares envolvidos. Confira o vídeo:

 

Comentários

Receba nosso conteúdo por e-mail


Leia também