Gazeta do Povo divulga editoriais assumindo posições liberais e conservadoras

O jornal encampa ideias como os valores familiares, a livre iniciativa e o voto distrital misto como opiniões oficiais do veículo, que entra em nova fase

- Publicado no dia

Os formadores de opinião liberais e conservadores – e, por extensão, o seu público – estão sempre apontando uma tendência esquerdista nas grandes empresas de comunicação. A Gazeta do Povo, o maior jornal do Paraná, fez um grande movimento para tentar ocupar o vácuo de veículos considerados “de direita” no Brasil.

Ao longo da última semana, depois de anunciar a contratação de colunistas como Rodrigo Constantino e Alexandre Borges, a Gazeta deu um passo adiante e publicou uma série de artigos definindo princípios claros e categóricos que orientariam a sua linha editorial daqui por diante. Em artigo introdutório intitulado Por que apresentar nossas convicções?, o jornal elencou as mudanças que fez, como a nova versão de seu site e os novos quadros da equipe, mas salientou que a série de artigos tem por objetivo reafirmar sua “fidelidade às convicções” que alimentou “até aqui”.

A Gazeta afirma que a publicação desses textos continuaria pelas quatro semanas seguintes, permanecendo em exibição no site, e o leitor veria neles “um resumo das ideias que norteiam” as avaliações do jornal “sobre os principais eventos do dia a dia”. A ideia é que essa transparência “pode intensificar a amizade e o respeito” entre veículo e público. Se alguém questionar o impacto que isso terá sobre quem discordar dessas posições, a Gazeta responde que a discordância “não será motivo para que não conversemos, mas, antes, um estímulo a mais para uma enriquecedora troca mútua”.

Uma rápida observação dos temas dos artigos deixa claro que as convicções que a Gazeta deseja firmar são abertamente liberais e conservadoras. Estão ali a defesa da vida desde a concepção, o valor da família, a diminuição do estado, a cultura democrática e a livre iniciativa. O que virá em consequência de toda essa franqueza, só o tempo poderá dizer.

Comentários

Receba nosso conteúdo por e-mail


Leia também