Relator da Reforma Trabalhista cita Mises, Roberto Campos e Roger Scruton

O deputado do PSDB, Rogério Marinho, defendeu a aprovação da reforma e fez discurso duro contra os posicionamentos dos sindicalistas

- Publicado no dia
Rogério Marinho (Foto: Reprodução / Facebook)
Rogério Marinho (Foto: Reprodução / Facebook)

A quarta-feira de votações importantes no Parlamento brasileiro foi particularmente interessante na Câmara dos Deputados, quando o relator da Reforma Trabalhista, o deputado federal do PSDB-RN, Rogério Marinho, subiu à tribuna. Em seu discurso antes da votação do processo de modernização das leis trabalhistas, ele atacou duramente os sindicatos e citou nada menos que três importantes pensadores ligados ao liberalismo e ao conservadorismo.

O professor e economista definiu o projeto como “de extrema relevância para o nosso país”. Ele começou seu discurso dizendo que “Mises (referindo-se ao ícone da Escola Austríaca de Economia) dizia” e “Roberto Campos (economista liberal e diplomata brasileiro que completou 100 anos este mês) secundava”, que “os sindicalistas são os maiores conservadores, porque não querem mudar, estão apegados às velhas estruturas”, aos “velhos medos, ao patrimonialismo, ao peleguismo”. De acordo com Rogério, eles não querem mudar, pois “mudando, serão mudados”.

Logo em seguida, Rogério citou Roger Scruton, pensador conservador britânico, como “um dos grandes filósofos contemporâneos”. Em uma interpretação do pensamento conservador de Scruton, Marinho cita sua ideia de que “as coisas boas são laboriosamente construídas, mas facilmente destruídas”. Concordando com a citação, o deputado definiu que, diferentemente do sentido negativo do termo empregado em referência aos sindicalistas, para o britânico, “ser conservador não é se apegar a um passado que nos condena”, e sim “conservar amigos, amizade, cultura, religião, ética, moral”, valores que seriam “solapados diariamente” na Câmara por quem quer reconstruir uma sociedade forjada “em prismas que não são os da sociedade brasileira”.

Marinho encerrou sua fala dizendo que a sociedade e os congressistas não se permitirão ser intimidados. Confira o vídeo do discurso:

Comentários

Receba nosso conteúdo por e-mail


Leia também