Com Gustavo Franco, PSL/Livres reúne nata dos liberais em super-evento no Rio

Palestra de um dos criadores do Plano Real atraiu personalidades nacionais do partido e nomes de outras organizações que foram prestigiar a nova fase da legenda no estado

- Publicado no dia
Foto: Boletim da Liberdade
Foto: Boletim da Liberdade

Em uma noite memorável, o PSL/Livres do Rio foi apresentado oficialmente nesta quinta (30) a uma plateia que reuniu grandes nomes do movimento liberal. O encontro ocorreu em um auditório na imponente sede da Associação Comercial do Rio de Janeiro e teve como destaque a palestra do economista Gustavo Franco, ex-presidente do Banco Central e um dos formuladores do Plano Real.

Representando a corrente nacional de renovação do PSL, estiveram presentes Sergio Bivar, líder nacional do Livres, o professor Diogo Costa, presidente do Indigo – Instituto de Inovação e Governança (nova fundação partidária do PSL) e o jornalista Mano Ferreira, diretor de comunicação do PSL/Livres. Paulo Gontijo, novo presidente do PSL do Rio de Janeiro, e Pedro Rafael, o primeiro candidato associado ao Livres no estado e o mais votado do PSL na capital fluminense em 2016, também marcaram presença.

A noite, porém, contou também com a presença de personalidades ligadas à outros movimentos e organizações que foram prestigiar a nova fase do PSL. Dentre elas, o advogado Rodrigo Mezzomo, a diretora executiva do Instituto Millenium, Priscila Pinto, e o advogado Manolo Salazar, vice-diretor executivo do Advogados Pela Liberdade.

Ao fim do evento, Gustavo Franco bateu foto com admiradores que estiveram presentes no encontro. (Foto: Reprodução / Facebook)
Ao fim do evento, Gustavo Franco bateu foto com admiradores que estiveram presentes no encontro. (Foto: Reprodução / Facebook)

A palestra de Gustavo Franco

Em uma palestra que durou aproximadamente uma hora, o economista e estrategista-chefe da Rio Bravo Investimentos Gustavo Franco relembrou momentos de sua carreira para reforçar a importância de valores liberais. Ele abriu o evento enfatizando, porém, sua filiação ao PSDB: “Sou um estranho no ninho”. Afirmou ser assumidamente da “dissidência liberal do PSDB”, mas que colabora com todos os projetos que divulguem valores liberais, como democracia e economia de mercado. Como exemplo, cita que já participou de eventos do Partido NOVO e se dedica também às atividades do Instituto Millenium (de onde é presidente do Conselho Gestor).

Diante dos presentes, explicou que ingressou no PSDB na época em que Mario Covas já falava abertamente da necessidade de se fazer no país um “choque de capitalismo”. Para Franco, passados quase 30 anos de sua filiação (ele filiou-se em 1988), o país continua precisando do mesmo remédio para vencer o “capitalismo de capangas”.

Na avaliação do cenário econômico, sustentou que a atual crise que afeta o país (“a maior recessão da  história, façanha de Dilma”) teve verdadeiro início em 2009. Algumas de suas causas foram a crise de 2008 e o entusiasmo criado em torno do pré-sal, que teria gerado a altíssima expectativa de prosperidade e despreocupação com elementos básicos da economia.

Nesse sentido, Franco relembrou o período em que participou da concepção e implantação do Plano Real. “Em 1994, entendeu-se que o combate da inflação se faz com responsabilidade fiscal e reformas de liberdade de mercado”, disse. “Esse é o fundamento do Plano Real.”

Embora se considere um otimista, Franco salientou que se aborrece ao ver que parte do trabalho que foi feito na década de 1990 precisará ser refeito em virtude da atual crise. Ele também sustentou que o país precisa se abrir mais ao mercado internacional: “Precisamos de reforma no modo como nos relacionamentos com o resto do mundo”. Franco terminou sua palestra sendo longamente aplaudido entre os presentes.

PSL de portas abertas

Tomando a palavra, o empresário Paulo Gontijo agradeceu Gustavo Franco pela presença e brincou que, se o PSDB tem hoje dois liberais (sendo Franco um deles), espera que em breve tenha zero. “Você tem uma porta com o número 17 aberta para você”, comentou em alusão ao número do PSL, garantindo boas risadas entre os presentes.

Gontijo anunciou também que o partido está desenvolvendo uma plataforma online “inédita no mundo”. Segundo ele, essa ferramenta pontuará e premiará a participação dos filiados. A primeira versão deve ser lançada em dois ou três meses, segundo ele.

Em relação aos desafios do PSL/Livres no Rio, Paulo Gontijo disse que o partido precisa “subir morro, ir para a Baixada [Fluminense], entender do interior ao Leblon”. Outro ponto destacado em sua fala é que a legenda quer ser liberal na própria gestão interna, prometendo “membros trabalhando com liberdade e autonomia”. Nesse momento, sussurrou-se na plateia que poderia ser uma indireta ao Partido Novo, muito criticado pelo excesso de centralização interna.

Por fim, Gontijo provoca que se algum dos presentes buscava um partido que fosse “liberal em todos os sentidos”, esse problema estava resolvido. “O Livres chegou”, avisou

Comentários

Receba nosso conteúdo por e-mail


Leia também